CNAE: o que é e como classificar sua empresa de forma correta

Muitos gestores conhecem o CNAE, mas não sabem exatamente como classificar todas as atividades em que a empresa opera. Por se tratar de uma gama de descrições que podem ser bem parecidas, é preciso muito cuidado na hora de entender o contexto e definir corretamente sua empresa.

Pensando na complexidade desses processos, falaremos hoje sobre o CNAE, explicando o que é e para que serve, além de orientar a escolha de classificação ideal para o seu negócio. Ficou interessado? Continue conosco!

O que é CNAE?

CNAE é a sigla para Classificação Nacional de Atividades Econômicas. Essa classificação coloca a sua empresa dentro do setor no qual ela atua, ou seja, de acordo com as operações do seu negócio, ela é definida.

Muitas empresas atuam na produção de diversos bens e serviços e, dependendo da natureza deles, é natural que o empreendimento seja, assim, encaixado em mais de uma classificação, podendo ter diversos códigos.

Ainda que dentro do estado ou do município de sua atuação existam outras formas de classificar, as definições nacionais sempre devem ser consideradas, a fim de facilitar a sua direção: o CNAE diminui as burocracias relativas a impostos e tributos.

Os códigos que enquadram as empresas nessa classificação são usados em registros e cadastros da administração, tanto federal quanto estadual e municipal. Assim, a gestão tributária é otimizada, enquanto fraudes são evitadas e controladas.

Qual é a importância dessa classificação?

O CNAE é representado por meio de um código e ele é importante para padronizar as atividades econômicas exercidas no País. Em outras palavras, podemos dizer que ele serve para delimitar as atividades e operações de uma empresa, determinando assim o segmento ao qual ela pertence e o que ela pode ou não fazer.

Vale ressaltar que a classificação é válida para os agentes econômicos que produzem bens e/ou serviços. Isso quer dizer que empresas privadas devem buscar a adequação, bem como órgãos públicos, organismos sem fins lucrativos, estabelecimentos agrícolas e também os profissionais autônomos.

Além do padrão que a classificação oferece, é essencial destacar que ela pode trazer benefícios para o seu negócio, no sentido de indicar abonos. O Simples Nacional é um exemplo disso, apoiando e facilitando o pagamento de tributos que se enquadrem na categoria de Micro e Pequenas Empresas.

Como escolher a classificação ideal para a empresa?

Para definir o código CNAE no qual o seu negócio se enquadra, basta pensar a fundo sobre a atuação dele. Trate de ser bem específico nessa hora, pensando inclusive em quais operações você pretende realizar: vai apenas atuar com operação de serviços ou revender produtos? Há alguma mercadoria cuja produção seja responsabilidade da empresa?

Indústria e comércio merecem ser aprofundados, por exemplo: a comercialização pode envolver diversos tipos de produto. Essa informação impacta no enquadramento do CNAE, já que a resposta define se é necessário mais de um código. Para obter o melhor resultado possível nessa classificação, é interessante acionar a consultoria de sua contabilidade.

O registro do CNAE é feito por meio de site oficial. Conforme o preenchimento das áreas, a própria plataforma vai afunilando as opções, até que então você encontre qual é, especificamente, a sua classificação, gerando o código.

Lembre-se de que, caso a atividade econômica principal da empresa mude, é necessário alterar também no CNAE, havendo a opção de adicionar atividades secundárias. Em ambos os momentos, o auxílio de quem mais entende sobre o assunto é indispensável.

Falando nisso, é importante se manter sempre atualizado nos assuntos que impactam a sua empresa e a sua gestão, certo? Assine a nossa newsletter e fique por dentro!